A visita do deus personificado de Moisés

 

Pacto sexual

 

A visita do “deus” personificado de Moisés deveria estar descrita antes do encontro de Abraão com Melquisedeque, quando ele deixou de servir ao “deus” decadente de Moisés.

Colocando o “deus” de Moisés depois, nega-se que Abraão tenha passado por aquela rara transformação interior. Mudança de visão e atitude, conforme está escrito.

Ocultaram tal evento e impuseram um ensinamento falso, com base na doutrina moralista do “deus” de Moisés, considerado “santo”.

Vejamos a nave dele e seu concerto, ou acordo, que ele havia feito com Abraão. Mas isso aconteceu antes da conversão de Abraão. Porém, está misturado também com o texto de Sodoma e Gomorra, onde não deveria estar.

Nesse caso, como podemos ter alguma pista ou certeza dessa adulteração? Por exemplo, ao falsificarem o motivo da destruição de Sodoma e Gomorra, demonstraram o que pretendiam.

Introduziram uma ideia religiosa (sodomia), desviando a atenção do leitor do verdadeiro motivo, que é o oposto da proposta do “deus” de Moisés, como veremos posteriormente, no livro de Isaías 1:10-18.

Quanto à visita do “deus” de Moisés, está escrito:

Sucedeu que, posto o sol, houve escuridão, e eis um fogareiro de fumaça, e uma tocha de fogo, que passou por aquelas metades. Naquele mesmo dia fez o Senhor um concerto com Abraão, dizendo: À tua semente tenho dado esta terra, desde o rio Egito até ao grande rio Eufrates. (Gênesis 15:17-18)

Observe que este objeto aéreo apareceu à noite. Esta é também uma pista. Havia o ser que aparecia sempre durante o dia e o outro que aparecia, de preferência, à noite.

O vocabulário utilizado na descrição do fenômeno é bem diferente dos demais do Velho Testamento, porque a época de Abraão é bem mais antiga. Tal objeto é o mesmo que foi denominado de “Glória do Senhor”, entre outros nomes.

Versículos como estes geralmente passam despercebidos por muitas pessoas que os leem, devido à influência das crenças religiosas preconcebidas, que afirmam, antecipadamente, que significam outra coisa. Então, a mente linear nega os eventos.

Observe que estávamos no capítulo 14 do livro do Gênesis, agora estamos no capítulo 15, seguinte. Apesar do vocabulário antigo e rudimentar, investiguemos hoje tal fenômeno, com base no vocabulário atual e mais moderno. Exemplo:

Sucedeu que, ao anoitecer, eis que um objeto com fumaça e luzes passou voando aqui próximo. Naquele mesmo dia [à noite], fez o Senhor um concerto com Abraão.

Não esquecendo que esse texto era para estar antes da conversão de Abrão, do contrário, Melquisedeque e Abraão também trabalharam em vão, assim como Jesus Cristo e o apóstolo Paulo.

Com o apóstolo Paulo, tal fenômeno aéreo aconteceu durante o dia, quase ao meio-dia, conforme consta. Mas o horário não importa muito. Embora o “deus” de Moisés fosse um ser sombrio. Importa que os fenômenos eram os mesmos de ontem, com exceção dos tripulantes das naves e da qualidade delas. Se ainda saía fumaça, era obsoleta, comparada com outras tecnologias ainda mais sofisticadas.

Observe que o texto bíblico primitivo identifica individualmente o formato ou aparência do objeto aéreo visualizado (fogareiro de fumaça) e a sua luz (tocha de fogo), o qual passou voando por aquelas redondezas (por aquelas metades).

O texto não diz apenas: “Passou uma tocha de fogo” (um cometa distante). Porém, passou aqui próximo. Além do mais, naquele mesmo dia (à noite), logo em seguida, o “Senhor” fez o concerto biológico com Abraão. A circuncisão, o pacto sexual, cujo significado explicarei mais adiante.

Seria muita coincidência esses fenômenos, o objeto voador e o concerto (circuncisão), não estarem relacionados um com o outro naquele mesmo momento. No mesmo dia e na mesma hora.

É necessário ser menos religioso (sonhador) e mais cientista (realista), senão o ser humano continua “sonhando” e não chega a lugar nenhum.

Em outra tradução bíblica, o “fogareiro de fumaça” foi denominado “forno de fumaça”. Um objeto voador com luzes brilhantes.

O concerto, que deveria estar escrito antes da conversão de Abraão, tinha a ver com a descendência a partir de seu filho Isaque, com Sara, esposa e irmã de Abraão (Gênesis 12:10-20), com determinado propósito biológico, conforme referência também no livro de Malaquias.

A concepção de Isaque seria entre parentes consanguíneos (linhagem genética pura), porque a esposa de Abraão era a sua própria irmã.

Como muitas pessoas hoje sabem, os seres do espaço ainda visitam o planeta Terra e fazem aquilo que chamam de abdução. O que muitos ainda ignoram é que isso sempre aconteceu no planeta Terra, e não somente em nossa atualidade.

O idealista é incorrigível: se é expulso do seu céu, faz um ideal do seu inferno. (Nietzsche)

Leia mais…

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!