Consequências psicológicas das doutrinas moralistas

 

Doutrinas

 

O que eu vou demonstrar agora é exibido também na mídia, como sendo algo normal. Isso sempre aconteceu, desde o passado remoto.

Por exemplo, quando os religiosos moralistas não alcançam a “santidade” e a “perfeição moral” prometida e esperada, a mente dá o golpe final (colapso da função de onda inverso). O efeito reverso da esperança ilusória.

Ou seja, o indivíduo decide que ele é “deus”, e nem percebe, é inconsciente. Este estado mental decadente é loucura total. A mesma loucura do suposto “deus” personificado de Moisés.

Independentemente do que a realidade revela, eles se consideram “santos”, e os demais são considerados “pecadores”. Em outras palavras, já que “deus” não toma uma atitude, eu mesmo tomo. Agem sempre através do julgamento da visão deles, baseada na Bíblia falsificada e sombria que herdaram.

A partir deste estado mental soberbo e decadente, começam a querer queimar os supostos “pecadores” na fogueira “santa”, ou apelam para a pena de morte.

É cruel e catastrófico, considerando a linguagem dual. É a intensificação do inferno no planeta Terra. Já vimos estas cenas antes. Elas se repetem na história.

Uma alma que se sabe amada, mas que por sua vez não ama, denuncia o seu fundo: – vem à superfície o que nela há de mais baixo. (Nietzsche)

Os “melhores” entre nós são eliminados. Aqueles que têm algo de real e útil para somar. No entanto, não é difícil perceber o que os motiva a pensarem desta maneira destrutiva.

Ao aderir a um livro antigo, onde introduziram depois o monoteísmo, a existência de um único “deus”, acreditam que seu “único deus” é o “melhor” e mais “verdadeiro”. Então, tentam naturalmente obedecer-lhe fielmente, conforme está escrito. Por exemplo:

Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu amor, ou teu amigo, que te é como a tua alma, dizendo-te em segredo: Vamos e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais, dentre os deuses dos povos que estão em redor de vós, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade, não consentirás com ele, nem o ouvirás; nem o teu olho o poupará, nem terás piedade dele, nem o esconderás, mas certamente o matarás; a tua mão será a primeira contra ele, para o matar; e depois a mão de todo o povo. E com pedras o apedrejarás, até que morra, pois te procurou apartar do Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. (Deuteronômio 13:6-10)

É aceitável isso? Quem não percebe que tal doutrina é loucura, desequilíbrio mental? Um ensinamento de alguém decadente e degenerado?

Veja também Deuteronômio 21:18-21; Josué 7:19-26; Êxodo 32:27-28; Números 15:32-36; 31:17. É cruel.

Ainda alega que tirou o povo da casa da servidão. Não era mil vezes melhor ter ficado lá?

Pessoas comprometidas com suas religiões já pediram desculpas pelos seus erros estúpidos, praticados no passado. E outras estão deixando para pedir desculpas depois, no futuro, após repetirem os mesmos erros.

Parece até filme de ficção, mas não é. Está acontecendo de novo entre nós e na mídia. Preste atenção. Não combata com violência e discussões inúteis, mas esclareça quando estiver pronto. Não seja negligente.

Embora muitos aleguem que, hoje, seguem apenas o Novo Testamento e que o Velho ficou para trás. Porém, o Novo também foi adulterado e nele introduzida a crença do Velho. Logo, o resultado é o mesmo.

A maioria que afirma que segue apenas o Novo Testamento cita constantemente o Velho Testamento, abordando exatamente aqueles versículos sombrios que “condenam” a Vida, entrando em contradição. Observe.

Você é alguém que olha? Ou que põe mãos à obra? Ou que desvia o olhar, põe-se de lado? (Nietzsche)

Leia mais…

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!