O Juiz e Legislador do Planeta Terra

 

Juiz e legislador

 

Segundo consta em Gênesis 18:25, o “deus” personificado de Abraão era Juiz e Legislador do planeta Terra.

É difícil admitir, através da mente teórica e romântica, como um ser esclarecido e civilizado de outra dimensão, como o “deus” personificado de Abraão, pode optar, em determinado momento crítico, pela guerra ou pela paz.

Isso ocorre porque estes seres têm um cérebro duplo igual ao nosso e, ao mesmo tempo, têm autonomia e liberdade. No entanto, este não era insano, como o “deus” personificado de Moisés.

Uma ação desse porte depende da missão de tais seres. É como disse Oscar Wilde: A arte não é moral nem imoral, mas amoral!

O “deus” de Abraão, porque era amoral, não fazia acepção de pessoas, ou seja, não tinha preconceitos mentais, mas utilizava a justiça e a paz como ferramentas para resolver determinadas questões relevantes, conforme veremos.

Já o “deus” personificado de Moisés, porque era moralista e preconceituoso, tentava ser superior e perfeito, mas a sua conduta mostrava o contrário.

Ele se elegeu o “Santo de Israel” e esperava, em vão, que seus “filhos” fossem também “santos” e “perfeitos”. Mas tal meta ilusória nunca era alcançada. Por isso, ele estava sempre frustrado, decepcionado e irado.

 

Os três varões lavaram os pés e almoçaram

Os três varões que visitaram Abraão lavaram os pés, descansaram debaixo da árvore, depois comeram o que Abraão e sua esposa Sara ofereceram.

Em seguida, eles iriam adiante, passariam pela casa de , sobrinho de Abraão, que morava na cidade de Sodoma, com o objetivo de sondar e dialogar com os habitantes daquela cidade.

Um detalhe interessante é que aqueles varões tinham também um coração no peito, claro. Conforme está escrito. Além de comerem e beberem. Ou seja, eram indivíduos reais, parecidos conosco e não exatamente imaginários, como foi interpretado ingenuamente até hoje.

Entretanto, eles não apreciavam holocaustos, como o “deus” personificado de Moisés, conforme veremos.

Naquele instante, estavam interessados em estudar o comportamento dos moradores das cidades de Sodoma e de Gomorra, devido a determinado motivo. A missão deles era somente esta, após a conversão de Abraão.

No entanto, introduziram também o Concerto (circuncisão) para ficar coerente com as crenças religiosas. Embora a circuncisão não fosse, de fato, um ritual religioso, como “entenderam” depois. Na verdade, tinha um propósito científico com determinado objetivo, conforme já observado.

Posteriormente, veremos o verdadeiro motivo da destruição de Sodoma e Gomorra, com base no livro de Isaías. Tentaram ocultar tal motivo, ao sugerir a questão da sodomia. Com esta adulteração dos fatos, os vilões (religiosos moralistas e preconceituosos) viraram heróis da história, no Velho Testamento.

Convenhamos, foi uma falsificação eficaz e brilhante, que atingiu a sua meta tenebrosa. Afinal, é a função deles, enganar. Dessa forma, convenceram o mundo inteiro.

O conteúdo original da Bíblia tratava-se, apenas, de uma questão social e política, relacionada com seres reais, responsáveis pelo planeta Terra e pelo bem-estar da humanidade. Porém, transformaram em crenças religiosas.

Devido ao fanatismo e outros interesses, tentaram “simplificar” através da mente linear limitada, como tendo existido somente “um deus bom”, útil e necessário.

No início, tais seres reais e palpáveis, tanto os “bons”, quanto os “maus”, estavam presentes com os religiosos, em épocas diferentes. Porém, no futuro não mais. Assim, passaram a imaginar, como ainda hoje, que tais seres eram incorpóreos e mitológicos.

E levantaram-se aqueles varões dali e olharam para a banda de Sodoma; e Abraão ia com eles, acompanhando-os. (Gênesis 18:26)

Nem todo mundo podia saber, inicialmente, a respeito daquela missão. Por isso que havia a dúvida, se deveria ser revelado ou não, inclusive a Abraão, o segredo delicado daquela missão, conforme está escrito.

E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço, visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra? (Gênesis 18:17-18)

Foi expressa apenas a dúvida, se revelaria ou não a Abraão, fora algumas palavras acrescentadas.

Após ele concluir a sua missão aqui, foi embora. Então, o “deus” personificado de Moisés, que havia fugido, com medo, devido a sua presença, voltou a atuar como antes, dando prioridade ao seu manjar. Ele não tinha uma missão específica, veio apenas para roubar, matar e destruir literalmente. Ou seja, escravizar e explorar o povo.

Segundo alguns pesquisadores, em outros livros antigos, além da Bíblia, ele fez isso no mundo inteiro, em países como a China, Índia, Roma, etc. Ou seja, os holocaustos eram sempre semelhantes.

Leia mais…

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!