Perguntas & Respostas

 

Perguntas

 

Duas perguntas: Por que, segundo o livro, Melquisedeque, sendo semelhante a Cristo, destruiu as cidades de Sodoma e Gomorra? Cristo não faz esse tipo de coisa.

Outra pergunta: você diz que não existem hierarquias. Então, para você, não existe um criador? Nos estudos de Joel S. Goldsmith, o criador é um ser maior (Pai) e nós somos os ramos! Me esclarece sua visão sobre isso.

 

Respostas:

Você continua querendo “entender” com o intelecto limitado. É preciso sentir e constatar, além da mente limitada (que mente). Teórica.

Observe que a missão de Melquisedeque era de justiça e paz. Jesus certa vez disse:

O Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo. (João 5:22)

Daquela vez, sua missão era apenas de paz, para dar o exemplo prático. A missão deles está relacionada com outras dimensões. A mente não pode “entender” porque a mente é dualista.

Outras vezes, como eles estão acima dos conceitos de bem e mal, de certo e errado, podem agir da maneira necessária, mesmo que nós julguemos errado. O importante é o objetivo final da missão, que é de paz e harmonia, e não de guerra e decadência, como fazia o “deus” de Moisés.

Isso ocorre quando eles adentram um mundo dual, projetado pela mente virtual (matrix holográfica), onde há os conceitos intelectuais opostos. Ou seja, quando eles adentram o jogo da matrix holográfica. Porém, no mundo deles não há dualidade.

Quanto ao criador, não tem nada a ver com hierarquias. Confundiram líderes com superioridade, santidade, etc. Jesus disse que somos todos irmãos, inclusive ele (Mateus 23:6-8).

Embora estes versículos só possam ser compreendidos se levarmos em conta que o corpo físico para nada serve (João 6:63). E que Cristo não é um indivíduo, porém a nossa própria Vida (Colossenses 3:4).

 

Quanto à pergunta a respeito da hierarquia

Jesus aboliu de fato a hierarquia, conforme está escrito:

Então, Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser, entre vós, fazer-se grande, que seja vosso serviçal; e qualquer que, entre vós, quiser ser o primeiro, que seja vosso servo, bem como o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos. (Mateus 20:25-28)

Quanto à expressão “dar a sua vida em resgate de muitos”, não significa o que apregoam por aí. No livro eu explico o significado disso, porque os escribas deturparam introduzindo suas crenças religiosas.

Você ainda está apoiado em crenças religiosas herdadas desde a infância e está tentando filtrar o conteúdo. Isso não é brincadeira.

A questão do esclarecimento sobre as hierarquias é muito importante. Porque é aí que a humanidade foi escravizada, como o próprio Jesus demonstrou.

O “criador” seria a Vida, o Amor. Algo que a mente não pode “entender”. Não é teoria, nem filosofia. Criador é uma palavra, é rótulo, nomeação intelectual.

É como disse Osho: “Deus não é outra coisa senão a Vida”. Semelhante à visão de Spinoza.

Nós, como “ramos” (outro rótulo intelectual), significa que estamos conectados intimamente com a Vida real infinita (atemporal, multidimensional). Só isso.

 

É difícil evitar que nossas visões mais elevadas pareçam loucuras e por vezes até crimes, quando chegam a ouvidos que não são capazes de compreendê-las. (Nietzsche)

Leia mais…